CARACTERÍSTICAS DA MINERAÇÃO

a) Curta duração: Com exceção ao projeto de extração do minério de ferro, em Carajás, todos os demais projetos tem vida útil de 20 a 50 anos, ou seja, são projetos que com 20 a 50 anos a mina se esgota. Portanto, são projetos de curta duração, o que significa que não mais do que em um século toda nossa riqueza mineral terá ido embora.

b) Desestruturação sócio-econômica do campo e da cidade: Com a expectativa criada da geração de muitas oportunidades de empregos diretos e indiretos há um esvaziamento do campo e inchaço das cidades, com o deslocamento das pessoas, através de migrações internas e externas. Para a cidade sede do município aonde vai se implantar o projeto migram pessoas de todas as regiões do Estado e de outros Estados. Em Ourilândia do Norte, numa primeira etapa, com retirada de 83 familias de dois projetos de assentamento, a Vale desestruturou a produção de leite e de cacau, inviabilizou o funcionamento de escolas, postos de saúde e transporte de passageiros.

c) Perda de territórios: As áreas das comunidades rurais que até então eram projetos de assentamento são ocupadas pela mineração, são atravessadas por rodovias, ferrovias, linhas de transmissão de energia, minerodutos, barragens para capitação de água e contenção de rejeitos e, por pilhas de rejeitos tóxicos que se tornam montanhas nos antigos vales.

d) Abertura de enormes crateras: Com a retirada do minério e agregados são destruídas enormes serras e a é área transformada em enormes crateras. No caso do projeto Salobo, com a extração do cobre, no município de Marabá, vai ser formada uma cratera de 2.000 metros de comprimento, por 800 metros de largura e, 520 metros de profundidade. Na região sudeste já são enormes crateras deixadas pela extração de ferro e manganês na Serra dos Carajás e na Buritirana, e pela extração de cobre do projeto Sossego. Temos mais os projetos em implantação: 118, Salobo, Cristalino, Alemão e Níquel do Vermelho. No sul, em exploração temos ferro e Ouro nos municípios de Floresta do Araguaia e Rio Maria, e em implantação temos o Níquel em Ourilândia. Em fase de Pesquisa temos: Xinguara, Tucumã, Água Azul, Santa Maria das Barreiras e Conceição do Araguaia.

e) Desmatamento: O desmatamento inevitável é feito pela derrubada da floresta na área da jazida, onde vai ser retirado minério, em áreas para construção de alojamentos, estradas, passagem de redes de transmissão de energia, usina de transformação do minério, barragens, oficinas, pátios de depósito de minérios, e locais para formação da pilhas de rejeitos tóxicos. No caso do Salobo serão derrubados 3.600 hectares de floresta nativa. Só para alagamento de estrada e construção de linhas de transmissão, serão derrubadas mais de 300 castanheiras, na Floresta Nacional do Tapirapé Aquiri, onde os índios Xikrins fazem coleta da castanha. Em Juruti a Alcoa vai derrubar 5.000 hectares de floresta densa, formada por castanhais, madeiras de lei, frutíferas(açaí, bacaba, cupu, uxi, piqui, bacuri…) e oleaginosas(andiroba, copaíba…).

f) Especulação imobiliária: A iniciativa provoca uma grande especulação imobiliária, com aumento do preço das terras no campo e na cidade. Aumentam de forma absurda os preços de imóveis para venda e aluguel, como também o preço dos terrenos, até então desocupados, mas apropriados. Surgem vários loteamentos particulares, a construção de condomínios, kitnets e prédios. A especulação avança sem dó. Parauapebas pode servir para um grande laboratório de estudo deste fenômeno.

g) Elevação do custo de vida: Como há um aumento populacional e necessariamente a procura por mais gêneros de primeira necessidade, principalmente alimentos, os comerciantes elevam os preços dos produtos, sacrificando mais ainda a população de renda mais baixa ou sem renda fixa. O preço do material de construção vai para as alturas. Funcionários públicos, agricultores e biscaiteiros são os que levam a pior. Até porque boa parte dos produtos que compõem a sexta básica são importados de outras regiões. Mesmo a carne bovina teve seu preço elevado devido a presença dos frigoríficos que exportam quase toda a produção.

h) Aumento do índice de desemprego: Como há uma propaganda enganosa, muito grande, de que está chegando o progresso e o desenvolvimento com a geração de muitos empregos, a corrida para estes locais também é muito enorme, aumentando de forma acelerada a população. Como o número de emprego é limitado, principalmente para profissionais qualificados, muitos dos que chegam se somam àqueles que já estão desempregados, formando um verdadeiro exército de reserva, para fácil exploração das empresas, com oferta de baixos salários. E a geração do maior número de empregos se dá no período de implantação do empreendimento, na etapa de operação as oportunidades são para administrativos e especialistas. No caso de Ourilândia, no pico da obra estiveram na ativa, em três turnos, até 7.000 trabalhadores, na operação vão ser apenas 890.

i) Aumento da desigualdade: O projeto gera um pequeno grupo de beneficiários(politiqueiros e comerciantes de diversos ramos de atividades) e grande número de necessitados, entre eles, alcóolatras, pobres, e miseráveis. Num ambiente marcado pela elevação do índice de criminalidade, prostituição, roubos, furtos, estupros e tráfico de drogas;

j) Poluição: A poluição, embora negada pelas empresas, é de toda ordem: do ar, da água, do solo e sonora. A poluição do ar se dá por conta de poeiras produzidas com tráfego de veículos, o movimento de máquinas revirando o solo e por fumaças de dinamites usadas para detonar as rochas. A poluição do solo e das águas se dá pelas substâncias provenientes do processo de extração e transformação do minério. A poluição sonora se dá por ruídos provocados por veículos, máquina e equipamentos, e pelo som das dinamites. Outro fator considerável é o prejuízo causado aos moradores com deterioração das casas com a trepidação causada pelas explosões para destruição das rochas. Só da mina do Sossego, em Canaã dos Carajás, é previsto ser descartado todos os anos mais de 13 milhões de toneladas de material estéril, dos quais 1,5 milhão contendo produtos químicos tóxicos . É quase uma centena de trabalhadores que reclamam indenização pelos prejuízos e negado pela Vale.

k) Exploração intensiva dos recursos naturais e da força de trabalho: As empresas depois de instalarem-se trabalham num ritmo de 24 horas direto todos os dias, com turnos e dobra turnos. Com isto os recursos naturais são extraídos numa velocidade muito grande. O projeto de extração de ferro era para trabalhar numa capacidade de exportação de 34 milhões de toneladas por ano. Em 2009 foram exportadas 98 milhões de toneladas e a meta é chegar ao ano de 2012 com uma exportação de 200 milhões de toneladas. É tanto que os trens que se movimentavam com 205 vagões agora estão com 330, com capacidade para 105 mil toneladas cada vagão. Os trabalhadores tem que se valer da hora extra para melhorar seus rendimentos.

l) Exportação de minérios e semi-acabados: Para atender as ordens do capital internacional, com a produção mineral no Estado do Pará, as empresas se submeteram a função de serem apenas exportadoras de minérios e de semi-acabados(concentrados de cobre, ferro gusa, alumina e alumínio). Com isto possibilita a acumulação de riqueza fora da área onde ocorre a matéria-prima, o minério. Com isto o Brasil e o povo brasileiro são roubados. O minério exportado voltará ao Brasil em forma de produtos acabados, com um preço muito mais elevado, depois de ter gerado trabalho e renda em outras nações.

m) Dependência da demanda externa: Atendendo a este modelo, sem se desenvolver tecnologias para transformação da matéria-prima em nosso território, cria-se uma dependência externa, que qualquer crise na economia mundial abala diretamente o setor, tendo com principais prejudicados os trabalhadores. Vários projetos da Vale foram paralisados e o pólo siderúrgico de Carajás quase para totalmente. Muitos trabalhadores foram demitidos e outros tiveram as horas extras cortadas e salários reduzidos. Para salvar as empresas e seus acionistas continuarem com bons lucros.

About these ads

Uma resposta para CARACTERÍSTICAS DA MINERAÇÃO

  1. thamiris alexandra disse:

    eu gostei o melhor q eu achei .. Parabéns

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: