ATINGIDOS(AS) PELA MINERAÇÃO SE MOBILIZAM

Com a vontade e ânimo para construção de um movimento forte e organizado para se contrapor à lógica perversa de exploração mineral no Sul e Sudeste do Pará, as organizações de trabalhadores e trabalhadoras de assessoria dos movimentos sociais estão avançado na organicidade.

Enquanto a Vale e outras empresa mineradoras, com o apoio do Estado, avançam no sentido de apropriar-se das áreas ocupadas por agricultores para implantação de projetos para extração e transformação mineral em semi-acabados, cresce o número de atingidos(as) diretamente pela iniciativa.

Os (as) trabalhadores(as) da zona rural, por sentirem mais presente o impacto das atividades de mineração estão mais avançados sobre o entendimento do que representa de forma negativa a exploração mineral no Sul e Sudeste do Pará, assim como em todo o Estado.

O municipio de Canaã, no presente momento, tem a população mais atingida pela mineração: é desde a década de 1980 que a Vale realiza pesquisas; são seis anos de extração do minério de cobre  e transformação em concentrado de cobre, do Projeto Mineração Serra do Sossêgo; Foram iniciadas compras de terras para instalação dos projetos 118 e Níquel do Vermelho; estão sendo implantadas infra-estruturas para instalação dos projetos Ferro Carajás S11D e projeto Cristalino.

Para implantação de infra-estruturas dos projetos Cristalino e S11D estão ameaçadas família de agricultores da VS-45 e da vila Racha Placa. Esta última já está em processo de negociação, mas de forma muito lenta, causando prejuízos às famílias.

Muitas áreas, grandes e pequenas, já foram compradas pela Vale, desestruturando o setor econômico/produtivo e oportunidades de trabalho para as famílias que vivem de trabalhar na terra para garantir seu sustento.

Segue abaixo documento do sindicato sobre o último encontro municipal dos(as) atingidos(as) pela mineração.

Companheiros(as)

Este sindicato no cumprimento de suas obrigações de prestação de serviços para sua categoria, no sentido de contribuir com a informação e a formação, mais uma vez promoveu uma importante realização, voltada para discutir os impactos da mineração no municipio de Canaã dos Carajás

Durante o dia 12 de março, na vila Bom Jesus, realizamos o II Encontro dos Atingidos pela Mineração em Canaã dos Carajás, que  consideramos também como encontro municipal para discutir propostas do município para integração ao  Movimento Regional do Sul e Sudeste do Pará dos Atingidos Pela Mineração.

Participaram do encontro 64 pessoas, entre homens e mulheres, jovens e adultos, que fizeram suas intervenções, levantando questões, principalmente, sobre o processo de mineração do Projeto Sossêgo, Projeto cristalino e S11D, e informando sobre a situação atual em relação aos problemas gerados, de responsabilidade da mineradora Vale.

As entidades presentes: STTR, APRODUZ, CPT, CEPASP, MST, Associação das Mulheres da Vila Bom Jesus, Associação de Moradores da Vila Bom Jesus e Associação dos Agricultores do Projeto de Assentamento Cosme Damião. Áreas representadas: Vila bom Jesus, Vila Planalto, Vila Serra Dourada, Vila Racha Placa, VS-45, VS-40, VS-13, VS-76, Peleja, Melechete, Três Braços, e Acampamento Dina Teixeira.

As manifestações foram principalmente no sentido de informar que os problemas a cada dia tem aumentado e que a Vale não se responsabiliza pelos mesmos, e que há uma ausência dos órgãos públicos, como IBAMA e SEMA, para ouvir as famílias prejudicadas e tomar providências em favor destas. E haja irresponsabildade.

Que o poder público municipal é ausente em tudo, negocia com a Vale mais ninguém sabe de nada. A educação e saúde no município é uma calamidade, principalmente na zona rural, onde falta transporte escolar que preste, falta professor, e os estudantes é que são prejudicados. E haja descaso.

As doze famílias atingidas pela alagação do rio parauapebas, provocada pela serra de estéril e os diques construídos pela Vale, todos os anos, desde 2005, são prejudicados com a perda da produção e de animais. Tem família, como a do seu Limite, que tem que alugar casa na vila porque não pode ficar na sua propriedade. E haja perturbação.

Várias famlias já deixaram de criar pequenos e médios animais(ovelhas, porcos, galinhas) porque na época das cheias não tem para onde levar, e deixaram também de plantar culturas permanentes, porque todas morrem. E é só prejuízo.

As estradas que já não tem manutenção agora estão sendo destruídas pelo tráfego de veículos pesados das empresas contratadas pela Vale. E vai-se a estrada.

A água consumida pelos moradores da vila Bom Jesus por muito tempo já tem indícios de contaminação, visto a olho nu. E haja problemas de saúde.

A queda da produção de leite provocada pela compra de propriedades feita pela Vale, tem feito com que a cada dia os produtores fiquem oprimidos pelo preço, determinado pelo único resfriador que tem no município. E toma prejuízo.

Os participantes ficaram mias irritados quando o palestrante informou que o lucro líquido da Vale, declarado, no ano de 2010, com a extração e venda do minério de  cobre do município de Canaã dos Carajás foi em torno de R$ 2.029.496.600,00 (DOIS BILHÕES VINTE E NOVE MILHÕES QUATROCENTOS E NOVENTA E SEIS MIL E SEISCENTOS REAIS).

E mais, de que a prefeitura de Canaã dos Carajás, no ano de 2010 recebeu por Royalties ou CFEM – Compensação Financeira pela Extração Mineral, o montante de R$ 26.389.306,77 (VINTE E SEIS MILHÕES TREZENTOS E OITENTA E NOVE MIL TREZENTOS E SEIS REAIS E SETENTA E SETE CENTAVOS).

Todos perguntaram: o que fez a Vale em Canaã? Como está vivendo o povo? Melhorou a vida de cada um? Diminuiu a violência? E o prefeito o que fez? Alguém é capaz de identificar onde o prefeito tenha aplicado, na cidade ou na zona rural em benefício da população, pelo menos os trezentos e oitenta e nove mil reais? Como anda a educação? A saúde? O saneamento básico? E os vereadores o que fazem?

Algumas considerações feitas pelos participantes: Temos que entender que a Vale não é dona do minério, ela tem apenas concessão para explorar, o minério é nosso; a Vale não é dona da FLONA, ela é nossa; os guardas da Vale não podem continuar oprimindo e humilhando as pessoas, todos temos o direito de reagir; da maneira que vai nunca vamos se desenvolver, com tanto prejuízo e perturbação; precisamos nos organizar numa só voz e numa só força; nós temos que reagir diante da Vale e do poder público, não podemos continuar parados.

Como encaminhamento foi eleita uma comissão, com representantes de todas as áreas presentes no encontro. Esta comissão tem o papel de motivar as discussões no município, organizar reuniões, debates, seminários, mobilizações e produzir informações sobre a mineração no municipio. Tem ainda a função de participar das atividades do Movimento Regional, nacional e internacional, dos atingidos pela mineração, representando o movimento do município.

Nossos próximos passos é realizar uma reunião da comissão para planejarmos as atividades a serem desenvolvidas no ano de 2011; informar as diversas representações de trabalhadores rurais e urbanos sobre a luta que se desencadeia; buscar parceria com as escolas, igrejas, pastorais sociais e entidades de outros municípios.

Canaã dos Carajás, 15 de março de 2011.

Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Canaã dos Carajás – Pará.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s