Vale investirá US$ 500 mi em palma

Por Samantha Pearson | Financial Times

A mineradora brasileira Vale está preparando a construção da maior indústria processadora de óleo de palma para 2015, em um esforço de cortar seus custos elevados com combustíveis e a ajudar no desenvolvimento da região da Amazônia. Para o projeto, que vai custar mais de US$ 500 milhões, a Vale adquiriu uma área de terras desmatadas na Amazônia maior do que Londres, onde vai produzir óleo palma e, então, convertê-lo em biodiesel para usar nas máquinas da companhia, navios, trens e caminhões.

Depois de abrir sua primeira fábrica de óleo de palma neste mês no Estado do Pará, a Vale vai inicialmente vender sua produção para produtores de alimentos até concluir a indústria capaz de converter o óleo em biocombustível, em 2015, disse Eduardo Ieda, chefe da empresa de biodiesel da mineradora, a Biopalma.

Além de promover a redução de emissão de carbono pela Vale, que consome cerca de 1 de cada 33 litros de diesel usados no Brasil, o projeto vai também ajudar a impulsionar a economia da região, criando 6.000 postos de trabalho no Pará e, usando produtores locais, que produzirão cerca de um quarto da palma necessária para o projeto. “Nós estamos ajudando essas famílias na transição da pobreza para a classe média”, disse.

Ieda afirmou que o projeto também atende aos próprios interesses financeiros da Vale. A planta da Biopalma vai permitir à mineradora reduzir grande parte de sua conta de energia produzindo o biodiesel a um custo cerca de 30% mais baixo do que os preços atuais do mercado, disse ele.

Energia representou 13,4% do custo total dos produtos vendidos pela empresa no ano passado, de acordo com dados recentes informados pela empresa da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Na última sexta-feira, a Vale também anunciou planos de investir R$ 650 milhões (US$ 315 milhões) juntamente com a australiana Pacific Hydro na construir duas usinas eólicas no Nordeste do Brasil para ajudar a suprir as necessidades de energia da mineradora.

A planta de óleo de palma vai também preparar a companhia para uma esperada mudança na legislação brasileira que vai requerer que o diesel tenha mistura de 10% de biodiesel, ante o percentual atual de 5%. Para 2017, a Vale disse que planeja já estar operando com o B-20 – mistura de 20% de biodiesel no diesel.

Ieda disse que a planta de óleo de palma da Vale será capaz de processar 560 toneladas por hora. Ele afirmou que espera que o projeto, que ocupará uma área total de 175 mil hectares no Pará, esteja produzindo 600 mil toneladas de óleo de palma por ano em 2019.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s